Bolsa de Estudo para o 2º semestre
Bolsa de Estudo para o 2º semestre
Descontos variam de 20% a 100%. Saiba qual a documentação necessária
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Sem taxa de adesão. Confira!
Participe dos eventos esportivos do sindicato!
Participe dos eventos esportivos do sindicato!
Vem aí a 3ª Corrida de Rua do SAAEMG e a 13ª Copa de Futsal. Participe!
Atendimento médico gratuito no sindicato
Atendimento médico gratuito no sindicato
A categoria tem atendimento em várias especialidades médicas como clínica médica, cardiologia, pediatria, nutrição e fonoaudiologia
Nota de pesar
Nota de pesar
A Contee e o SAAEMG solidarizam-se pelos mortos da cidade de Suzano (SP)
A importância de ser sindicalizado
A importância de ser sindicalizado
13º salário, férias...Essas e outras conquistas são frutos da organização dos trabalhadores e os seus sindicatos
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Contribuição assistencial e mensalidade sindical
Atenção, estabelecimentos particulares de ensino para o informe do sindicato

    Notícias

    14/03/2019
    SAAEMG participa de audiência pública sobre a Reforma da Previdência

    O Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar de Minas Gerais (SAAEMG) participou na última quarta-feira (13), na Câmara de Vereadores de Belo Horizonte, de uma audiência pública sobre a reforma da Previdência. Representaram o sindicato o presidente Antonio Rodrigues e os diretores Marcos Costa, José Geraldo Vieira e João Batista da Silveira. Os especialistas presentes alertaram que a previdência não está quebrada e a proposta do governo prejudica os trabalhadores da ativa e até mesmo quem já se aposentou. Além disso, a reforma não combate privilégios e tem como objetivo privatizar o sistema e entregar os seus recursos para os bancos privados.  

    Uma das propostas da reforma prevê o aumento da idade mínima de homens e mulheres para conseguir o benefício. No caso dos homens, 65 e as mulheres 62 anos. Atualmente, para aposentar-se por idade, o tempo mínimo para os trabalhadores urbanos é de 15 anos de contribuição, além de 60 anos para as mulheres e 65 para os homens.

    A proposta do governo também aumenta o tempo de contribuição para 40 anos. Hoje, mulheres e homens que tenham atingido o tempo mínimo (35 anos para eles e 30 para elas) podem se aposentar.

    Segundo o assessor do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Frederico Melo, o objetivo do governo é transformar a previdência pública, isto é, um direito social, em mercadoria.

    “Essa reforma vai aprofundar a desigualdade social no Brasil, pois quebra a lógica solidária da Previdência Social. Atualmente, quem trabalha contribuiu para manter a previdência. A proposta do governo é acabar com isso ao colocar os recursos da previdência nas mãos dos bancos privados. Com isso, cada trabalhador contribui para si. Mas hoje, qual brasileiro pode contribuir 40 anos para aposentar-se? , questiona o especialista.

    Ele aponta várias dificuldades para se alcançar esse tempo de contribuição, como desemprego, mercado de trabalho fragmentado e alta rotatividade dos trabalhadores. Ele prevê que muitos não conseguirão contribuir por tanto tempo e irão aposentar-se com poucos recursos. Para ele, somente os bancos serão os maiores beneficiados caso essa reforma seja aprovada. 

    Por outro lado, até os trabalhadores que já se aposentaram estão ameaçados. “Hoje, as aposentadorias e o salário mínimo são reajustadas de acordo com a inflação. Isso vai acabar”, alertou ele.

    A previdência não está quebrada

    Já o economista da Auditoria Cidadã da Dívida, Rodrigo Ávila, chamou a atenção para o falso discurso do governo de que a Previdência Social está quebrada. Com o auxílio de gráficos, ele demonstrou que o sistema tem recursos suficientes e citou o relatório final da CPI da Previdência. O documento revelou que, entre 2000 e 2015, o superávit foi de R$ 821,7 bilhões. Por outro lado, nos últimos 15 anos, a Previdência deixou de arrecadar mais de R$ 4,7 trilhões com desvios, sonegações e dívidas das grandes empresas.

    Durante a audiência pública, o presidente do SAAEMG, Antonio Rodrigues, chamou a atenção para esse fato.

    “O que está acontecendo é um desvio de recursos públicos da Previdência Social. Por que o governo não cobra essa dívida das grandes empresas e dos bancos? Ao invés disso, prefere sacrificar os trabalhadores. Ou nós defendemos os nossos direitos, ou seremos massacrados pelo governo”, afirmou ele ao pedir uma reforma na aposentadoria dos políticos e militares.

    Leia também:

    Reforma da Previdência atinge mulher negra

    Privatizar a previdência foi um fracasso em todo o mundo, diz OIT

    Mulheres e Previdência: "Reforma" torna aposentadoria um sonho distante

    Pesquisadora explica por que só os bancos ganham com a PEC da Previdência

    Quem ganha e quem perde com a reforma da previdência?

    Sonegação, falcatruas e renúncias tiram mais de R$ 85 bi do INSS

    Proposta de reforma da previdência de Bolsonaro é pior do que a de Temer

    Reforma da Previdência: Entenda o que está em jogo

    Reforma da Previdência em 5 países: Perdas e Retrocessos

    Como é se aposentar no Chile, o 1º país a privatizar sua previdência

    Diretoria do SAAEMG marca presença no Dia Nacional de Luta Contra a Reforma da Previdência

    Reforma da Previdência dificulta aposentadoria e rebaixa benefícios

    OAB-MG se posiciona contra a Reforma da Previdência

    Assista:

    Clique aqui e assista o vídeo produzido pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (ANFIP) sobre a farsa do chamado “rombo” da Previdência

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200