Convênio médico com atendimento gratuito
Convênio médico com atendimento gratuito
Associados do SAAEMG e seus dependentes contam com atendimento médico gratuito na rede de clínicas Dr.Agora
Bolsas de Estudos - 2020
Bolsas de Estudos - 2020
Pedidos deverão ser feitos no sindicato a partir de abril
SAAEMG lança Portal da Transparência
SAAEMG lança Portal da Transparência
O objetivo é informar os associados, em especial, como é gasto o dinheiro arrecadado pelo sindicato.
Conheça os benefícios de ser sindicalizado(a)
Conheça os benefícios de ser sindicalizado(a)
SAAEMG, somos trabalhadores. Somos educadores!
Plano de saúde Unimed para a categoria
Plano de saúde Unimed para a categoria
Fale com um consultor agora
Homologação das Rescisões Contratuais
Homologação das Rescisões Contratuais
O SAAEMG orienta as empresas, contabilidades e trabalhadores que as rescisões contratuais devem ser homologadas no sindicato.
Aos funcionários das escolas de idiomas
Aos funcionários das escolas de idiomas
Leia abaixo o documento
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
Atenção Auxiliares de Administração Escolar
O SAAEMG orienta os trabalhadores nos seguintes pontos:

    Notícias

    30/08/2019
    Desemprego no país é de 11,8% e atinge 12,6 milhões de pessoas, diz IBGE
    por Afonso Ferreira e Mariana Bomfim Do UOL, em São Paulo

    Segundo o IBGE, o número de desempregados no Brasil foi de 12,6 milhões de pessoas, o que representa uma queda de 4,6% (menos 609 mil pessoas) frente ao trimestre anterior. Estatisticamente, o número ficou estável em relação a igual período de 2018 (12,8 milhões).

    Os dados fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua e foram divulgados hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A pesquisa não usa só os trimestres tradicionais, mas também períodos móveis (como fevereiro, março e abril; março, abril e maio etc.).

    O total de pessoas ocupadas no país (93,6 milhões) cresceu nas duas comparações e é a maior da série: 1,3% (mais 1,219 milhão de pessoas) em relação ao trimestre encerrado em abril e 2,4% (mais 2,218 milhões pessoas) na comparação como o mesmo período do ano passado.

    População subutilizada

    A população subutilizada (28,1 milhões) não teve variação significativa frente ao trimestre anterior, mas subiu 2,6% (mais 703 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2018.

    O IBGE considera subutilizadas as pessoas que estão desempregadas, que trabalham menos do que poderiam, que não procuraram emprego, mas estavam disponíveis para trabalhar ou que procuraram emprego, mas não estavam disponíveis para a vaga.

    Queda no rendimento

    O número de empregados no setor privado com carteira assinada (exceto trabalhadores domésticos) foi de 33,1 milhões de pessoas no trimestre encerrado em julho, o que representa estabilidade tanto na comparação com o trimestre anterior quanto em relação ao mesmo período do ano passado.

    O rendimento médio do trabalhador no período foi de R$ 2.286, queda de 1% frente ao trimestre anterior. Na comparação com o mesmo período do ano passado, não teve variação significativa.

    Informalidade bate recorde

    O número de empregados do setor privado sem carteira assinada (11,7 milhões) atingiu recorde e subiu nas duas comparações: 3,9% frente ao trimestre anterior e 5,6% em relação ao mesmo trimestre de 2018.

    A categoria dos trabalhadores por conta própria também bateu recorde da série histórica (iniciada em 2012), alcançando 24,2 milhões de pessoas no período. Houve alta de 1,4% em relação aos três meses anteriores e de 5,2% frente ao mesmo período do ano passado.

    4,8 milhões de desalentados

    Segundo o IBGE, o país tinha 4,8 milhões de pessoas desalentadas (que desistiram de procurar emprego) no trimestre encerrado em julho. O número não mostrou variação significativa tanto em relação ao trimestre anterior quanto na comparação com o mesmo período de 2018.

    A população desalentada é definida como aquela que estava fora da força de trabalho por uma das seguintes razões: não conseguia trabalho; não tinha experiência; era muito jovem ou idosa; ou não encontrou trabalho na localidade —e que, se tivesse conseguido trabalho, estaria disponível para assumir a vaga.

    Metodologia da pesquisa

    A Pnad Contínua é realizada em 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios. O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

    Existem outros números sobre desemprego, apresentados pelo Ministério da Economia, com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Os dados são mais restritos porque consideram apenas os empregos com carteira assinada.

    Com informações da Reuters

    Leia também:

    Desigualdade cresce há quatro anos no Brasil, indica pesquisa da FGV

    Avanço neoliberal faz fome atingir 42,5 milhões de pessoas na América Latina e Caribe

    Aumenta a desigualdade de renda do trabalhador no Brasil

    Com mercado de trabalho frágil, número de autônomos, subutilizados e desalentados é recorde 

    Desemprego no Brasil chega a 12,5% e atinge 13,2 milhões de trabalhadores, diz IBGE

    Rua Hermilio Alves, 335
    Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
    CEP 31.010-070
    (31) 3057-8200